António Jorge - Porto e Luanda - Editora Mensagem - Luanda - Angola

Não existe em lado nenhum do Mundo - Futuro... sem Educação!

"Os meninos de Kassanje” e a SIC!

 

"Os meninos de Kassanje” e a SIC!

- Pôr os pontos nos i!

 

Sobre um programa apresentado esta noite pela SIC. (28.07.2020)

- Uma situação extrema de sofrimento a que estão votadas num barracão de chapa, cerca de 200 crianças... abandonadas à sua sorte, com fome e minadas de doenças... muitas delas à beira da morte certa… sem ter quem as acuda ou ampare.

Claro, que... o que aqui se vê… na peça da SIC, não reflete a verdade sobre Angola, apesar de tudo e da pobreza dominante… porém, há coisas que não se vêem… porque há gente… a viver nos subúrbios do subúrbio… e Luanda hoje é uma mega- cidade… mais de 8 milhões de pessoas, a esmagadora sem escolaridade, sem habilitações e sem emprego… e os expedientes e os esquemas de vida… são o modo de resistir e sobreviver.

O local... na zona da Carruagem, a caminho de Viana, local que eu conheço, porque por ali passei muitas vezes, ainda no tempo da pracinha (Mercado) a céu aberto, que ali existiu... e por onde passavam diariamente muitos milhares de pessoas... e que acabaria esta praça… não sem se evitarem grandes confrontos entre os vendedores dali... expulsos pelas forças policiais... desde há alguns anos atrás.

Na peça apresentada pela SIC, que pediu explicações à Embaixada Angolana em Portugal... foi referido por esta...tratar-se provavelmente de um lugar que esteve ocupado por refugiados do Congo.

- Quanto a isto, penso não ser verdade... a zona de residência dos congoleses em Luanda, é no Palanka, que fica ainda antes do Grafanil.

Não ouvi nenhuma criança falar... mas os adultos que estavam com essas crianças, expressavam-se em português... e não na língua lingala... que é a língua mais falada no Congo e no Norte de Angola, por muitos que são de etnia kikongo.

Não ponho em causa a verdade do drama apresentado pela crueldade das imagens transmitidas pela SIC, mas as suas reais intenções. E a ideia espatafúrdia de uma senhora, que sendo religiosa evangélica brasileira... e não pondo em causa a sua boa fé... se propõe ir para Angola, para abrir um pedacinho do céu... para salvar estas crianças... e há tantas e tantas a salvar, da fome, da miséria, e da doença, em Angola, no Brasil e em tantos lugares no Mundo.

O problema de Angola, e do Brasil... são essas seitas religiosas que falando em nome de Deus... são cúmplices dos poderes políticos insanos e perversos.

O que mais tem Angola é fome e igrejas... tudo isto se relaciona... o que precisam as crianças de Angola; é de pão, habitação, saúde e educação... Não é serem alimentadas de alienação!

Importa dizer ainda... o que por sinal, apesar do seu enriquecimento... Isabel dos Santos... feito a partir do regime... como todos os outros... teve a particularidade de pelo menos investir em Angola... e por ela... e por Angola no estrangeiro, nomeadamente em Portugal... ao contrário dos outros… os assimilados... do e no poder… que fizeram sumir o dinheiro pertença do povo, e não criaram desenvolvimento no país, nem empregos de qualidade e em quantidade... como ela criou. 

E que se saiba, não tem ainda esses corruptos, mandatos de detenção... mesmo muitos deles vivendo em Angola... de forma alternada... e com sinais de riqueza pornográfica como autênticos nababos.

- Ninguém em Angola, enriqueceu de forma honesta ou por mérito.

E os assimilados do e no poder?

Que exportaram rios de riqueza para os paraísos fiscais... porque não falou, nem fala a SIC?

- Fixou o seu discurso apenas na denúncia de José Eduardo dos Santos e Isabel dos Santos... porque esta em certa altura, o afrontou ao querer disputar o império e os poderes dominantes de Balsemão na imprensa portuguesa.

Angola... como diz a SIC, país do petróleo e dos diamantes... e de muitas mais riquezas naturais... desta vez não falou em regime.

- E a SIC, sabe, porque está em Luanda há muito, e bem informada, da razão dos problemas sociais dos angolanos, agora ainda mais agravados pela recessão económica em Angola e no Mundo.

Sabe... mas não diz... quem são e onde estão os corruptos que se tornaram milionários com milhares de milhões nos paraísos fiscais, à custa da fome e da miséria do povo.

- Se quiser saber... eu dou uma ajuda.

A SIC, só se preocupava com o regime, por razões perversas, para criar a falsa ideia de que o MPLA, ser um partido comunista... sabendo bem que há mais de 30 anos, o MPLA, se transformou num partido da social-democracia de economia selvagem neo-liberal, com filiação na Internacional Socialista...

Mas dava e dá jeito... por omissão e contra-informação... fazer crer que este MPLA, ainda é o mesmo partido histórico de Agostinho Neto, Lúcio Lara, Paulo Teixeira Jorge... e de outros grandes nacionalistas e patriotas angolanos.

O PCP, ainda continua a pagar um elevado custo por essas sórdidas calúnias… os custos políticos de fazer crer ser este MPLA, um regime comunista, pela ação informativa criminosa e pecaminosa anti-comunista... de tal forma que a maioria dos portugueses ainda hoje pensa que o MPLA... é um partido comunista… tal como o regime em Angola.

A SIC, preocupou-se muito em combater a familia de José Eduardo dos Santos… não por questões de corrupção associada e da sua ligação a ex-ministros portugueses e outros equiparados pelos interesses e a corrupção… mas pela ameaça... de Isabel dos Santos... que em certa altura, esta... ao querer entrar nos domínios da informação em Portugal… punha em causa o controlo… e os interesses políticos e empresariais dominantes do império de Balsemão... que é a alma mater do regime em Portugal.

Mas que… mantém omissos os nomes dos grandes ladrões milionários assimilados angolanos formados pelo colonialismo português, no poder em Angola, há mais de 30 anos, com a exclusão de todos os comunistas, por imposição ocidental… desde Bicesse!

Mas para esclarecer melhor… voltarei a falar de Kassanje… Mas da Baixa de Kassanje, onde a 4 de janeiro de 1961… o exército português, sob o comando do general Monteiro Libório, vindo do antigo Estado Português da Índia, Goa, Damão e Diu… reocupado em 1960 pela União Indiana… através do lançamento de bombas de Nepalm e Herbicidas.. e incendiando as aldeias, pela aviação, matou milhares de camponeses na Baixa de Kassanje, sujeitos a feroz exploração e fome, por reclamarem melhores condições de vida nas plantações de algodão da empresa luso-belga, a Cotonangue.

De tal forma era a fome e miséria dos camponeses da Baixa de Kassanje... que um oficial militar português, ainda antes dos massacres, do 4 de janeiro de 1961, fez um relato escrito, dizendo:

- A fome e a miséria dos camponeses da Baixa de Kassanje, era de tal ordem... que não se distinguia um homem de uma mulher e um velho de um jovem!

O massacre do ataque militar português aos camponeses da Baixa de Kassange, foi um acto brutal, que determinou, um mês depois o inicio da luta armada em Angola - Em 4 de fevereiro de 1961.

 

Importante: A Baixa de Kassanje, fica no Norte de Angola no Leste, encravado entre as provincias de Malanje, a Lunda Norte, e o Congo.

António Jorge

Quadro Desconsolo - Eduardo Kingman (Equador 1913-1998)

Em tempos de pandemia e da queda dos mitos!

 

Em tempos de pandemia e da queda dos mitos!

- A desmitificação impiedosa... alimentada pela direita política, pela alienação e a mentira construída e organizada durante décadas, pela imprensa em geral, o cinema de Hollyood e as televisões.

1 - Os Estados Unidos da América... que nos impuseram ser... a Melhor Democracia do Mundo... Escondendo-nos sempre, que esta Democracia de falácia, assenta sobre o sangue de mais de cem milhões de índios... os povos nativos da América. Do trabalho escravo de quase cinco milhões de escravos originários da África... que apesar da luta pela dignidade durante os anos 60... continuam a ser perseguidos e mortos violentamente pelas polícias... como de um desporto dos brancos anglo-saxónicos... se tratasse. - E o saqueio continuado até hoje, pelas pressões, a chantagem e as guerras em todas as partes do Mundo. A pandemia do covid, pela seleção que faz da morte... Não deixa dúvidas a ninguém, sobre os mais desfavorecidos, os pobres e os mais vulneráveis... os afro-americanos. - E imagine-se... o regime começa a dar mostras... de enterrar a caricatura de democracia que é... e recorrer a um regime de força musculada... não será hoje de espantar. Esperemos!

2 - A União Europeia, a que aderimos sem qualquer consulta ao povo... feita pelo senador Mário Soares... e que pomposamente propagandeava de Europa Connosco... E que mais não é do que uma imposição fabricada nos Estados Unidos, numa perspectiva atinente à globalização unipolar da colonização do Mundo, tentada... Mas esta ideia agressiva do império, morreu em 2014, pelo seu golpe da Ucrania, para levar esta... a Ucrânia a atacar a Rússia... Num assalto impossível. União Europeia... um saco de gatos, comandada pelos países do Benelux, os Nórdicos e Alemanha. Os do Sul da Europa... apesar de discriminados... aguentam envergonhadamente as provocações feitas às suas culturas... e religiosidade, por serem católicos... e da ideia criada da sua inferioridade em termos económicos e sociais... e aceitam sem pestanejar. O covid... pôs bem a nu... esta realidade... mas tudo vai ficar na mesma... uns mandam... outros obedecem... Esta é a Democracia da UE - O poder oculto não eleito por ninguém... Que é quem manda!

3 - Por fim Portugal e a sua democracia de opereta, que teve de aceitar a sua submissão aos ditames da UE-BCE... a imposição do Ex.Ministro Centeno, para governador do Banco de Portugal. - Para o PM, saber quem manda na Europa... afrontou o ministro das finanças da Holanda (esqueceu-se que é o local onde está a sede do Clube de Bildeberg e Paraíso Fiscal) Antonio Costa não mentiu na Assembleia da Republica, quando disse, que só ficariam disponíveis os 850 mil milhões, após inspecção... ele também não sabia que a operação estava feita... intencionalmente sem o seu conhecimento... por imposição do BCE - Banco Central Europeu.

- As cenas recambolescas e patéticas em torno da nomeação do Ex.Ministro Centeno, para o Banco de Portugal... são mais do que uma evidencia... de quem é que está por trás. Mais ainda... o facto do governo atribuir às grandes empresas portuguesas, que desviam o pagamento dos impostos para a Holanda... o que é que nos querem dizer?

As pessoas ainda não entenderam... que o poder político em democracia representativa... é meramente formal e só aparentemente, uma democracia... - O poder financeiro... dos grandes bancos internacionais... é quem ilegitimamente, utiliza o sistema democrático... para legitimar o seu próprio poder... pela congeminação perversa entre o poder político e o económico, disfarçado de uma democracia eleita... para enganarem os povos.

Antonio Jorge

A criação do idiota, nos tempos modernos

 

A criação do idiota, nos tempos modernos

- Não é por acaso.

O idiota pressupõe o fim da Democracia e das liberdades!

 

 

Com o tempo… e o modo, foram-nos aplicando paulatinamente a sua estratégia e propósitos malévolos, reduzindo a natureza humana... que nasce dotada de um potencial de inteligência e de capacidades cognitivas… à condição de um ser incapaz de pensar, agir e compreender… a realidade mais simples, transformando-se num idiota dependente.

À rejeição natural de muitos do exercício da leitura, pela desmotivação e dislexia natural, pela preguiça, a falta de condições e de razões de ordem familiar herdadas em que vive… ou viveu… pela falta de estímulos e curiosidade para aprender a crescer e compreender a vida, a si e aos outros.

A fadiga nos processos de trabalho, pela sua natureza repetitiva e constante. O modo de produção actual, que cada vez mais reduz a componente intelectual do trabalhador… ao mais elementar e básico, e que participa apenas em tarefas muito simples… de imediata compreensão, pelo que os métodos de trabalho são cada vez mais automatizados e processados por tarefas muito simples.

A especialização do trabalho, as mudanças sucessivas de profissão e tarefas… o emprego é ao dia ou ao mês… sem futuro nem certezas para um horizonte de um ano. Não precisa aprender nada... adapta-se ao que aparece.

Consequência da globalização e cultura norte-americana, criada desde o próprio conceito da UNIVERSIDADE… que deixou de ter uma vocação universalista e geral… e passou a ser adoptada a especialização como paradigma, para servir a economia capitalista.

Tudo é racional no sentido do anti-humano cultural e social… o lucro sem limites, é a mola real desta cultura insana da sociedade capitalista irracional que precisa do homem para consumir apenas… e não para pensar e socializar… sistema diabólico em constante mutação… como os vírus… e cuja finalidade è a escravização da humanidade… pela globalização da miséria e do novo paradigma do homem do futuro

- O Idiota!

E neste caso… quem tem os meios e o poder, utiliza-os agindo não em função do conhecimento intelectual na formação do homem e do desenvolvimento da humanidade… mas mesmo… até para as tarefas mais complexas no plano técnico… a criação do técnico especializado… mas de feição idiota intelectualmente.

De tal forma, que existem hoje muitos propagandistas da idiotice nos meios de comunicação social, que estão convencidos serem jornalistas e julgam-se até, estarem ao serviço do bem comum… e da sociedade democrática.

Claro que ainda não chegamos ao fim… ainda não batemos... bem no fundo.

Mas quando se aceita, até pela cultura do futebol… contra o próprio futebol e a sua génese verdadeira e desportiva… e de tantas outras coisas estúpidas a que temos de assistir, em doses maciças e absurdas nas tv.s… e se aceita todo o tipo de alienações como natural, por falta de senso e abuso absurdo consentido da estupidez, pelo lixo televisivo que nos dão a consumir… sem rejeição ou repulsa e pela crescente aceitação…

Já nada há a fazer ou esperar!

António Jorge

Quadro: NÓS por Ismael Nery

Escravos de um novo tempo!

 

Escravos de um novo tempo!

Os canais do lixo televisivo - substituíram o chicote e o cavalo marinho!

 

O Mundo… em que vivemos, apesar das suas belezas naturais, das diferenças pelas paisagens especificas de cada lugar, os contrastes e culturas dessas gentes… das espécies animais do meio… da sua longitude e latitude.

Já não dá para emigrar e fugir daqui. Tudo está tomado… conformado e contaminado.

- A Ocidente já não há nada de novo a descobrir.

Porem... e à medida que avança o progresso, noutros sítios e lugares do Mundo... libertos do Ocidente colonialista, aumenta a certeza de um aumento da exploração e repressão... de um lado e outro do Atlântico.

O Mundo desde há milénios, é proveito exclusivo dos ricos e poderosos… senhores da terra, escravistas, esclavagístas e capitalistas de todo o tipo… e dos seus lacaios de todos os tempos e de todas as formas em que asseguram as normas… da exploração do homem pelo homem, adequados a cada etapa do desenvolvimento humano e aos meios de trabalho utilizados para a exploração e opressão dos povos em cada época.

Hoje… vive-se o tempo mais cruel do sistema, que nunca… e sem razão, pelos avanços da ciência e de tanta riqueza acumulada… e depois de retirarem o sentido da vida, a imprevisibilidade subjectiva da existência humana e da metamorfose da vida em sociedade, pelo poder da concentração, da mentira, do controlo político, das armas, do dinheiro, e da manipulação das mentes, pelos meios tenebrosos da comunicação social… que transfigurando a realidade social em virtual pela manipulação criminosa constante das televisões… nomeadamente através da natureza do poder perverso… transformaram as pessoas em simples néscios e crédulos obedientes e cegos à realidade… transformados em idiotas… felizes pelo pouco que tem… uma mão cheia de nada.

Ao ponto de serem consumidores compulsivos e confinados… ao que podem ou não comprar… dos medíocres programas que consomem dos canais do lixo televisivo… tão democratas como a sociedade em que vivemos, sob a douta opinião dos falsos jornalistas e comentadores recrutados no mais abjecto do político social da extrema-direita fascista, dos mais famosos… criados pelos meios que impunemente nos entram... sem pedirem licença pelo écran das TV… a todos as horas na nossa casa, pela promoção da alienação, a vaidade e o egoísmo. a morbidez social e a intriga… e a valorização extremista da irracionalidade de tanto futebol… até dar vontade de vomitar… pela constância… mais de 50% da programação… de futebol, de cá, de lá e doutros sítios… os empresários multi-milionários dos jogadores, os dirigentes, os jogadores... e as casas deles, os grandes carros, os aviões e os iates… que contrastam com as condições de vida e as preocupações dos povos.

Que já não sabem pensar… nem sequer... e apesar dos olhos... sabem ver... a realidade... e da que a fartura dos que melhor servem o sistema da alienação e exploração... é feita à custa do que lhes roubam como povo incrédulo, embrutecido e transformado em idiota!

António Jorge

Quadro de: Oswaldo Guayasamín, Artworks

Futebol - Manipulação e pornografia social

 

Futebol - Manipulação e pornografia social

 

O tema futebol, surge nesta análise por razões de ordem histórico cultural, relacionado com o aproveitamento político, que sempre acontece, quando qualquer expressão cultural do povo, se torna importante para servir os interesses políticos perversos dos regimes políticos... Mais ainda na fase em que tendo o futebol atingido uma grandeza, local, regional, nacional e internacional, em termos dos clubes... antigas colectividades desportivas no passado e hoje inseridas na lógica capitalista e bolsista pelas SAD... que transformaram o futebol... principalmente, numa indústria das mais importantes pelo seu volume de facturação e da utilização perversa dos poderes constituídos, para através do futebol se alienar o povo e melhor o explorar... pela anestesia social e política que provoca... em beneficio de quem o utiliza e manipula… os meios… como arma contra o povo.

Não está em causa não gostar do futebol... mas do seu aproveitamento perverso, criminoso social e político!

- Razão pela qual, os canais televisivos de uma forma directa ou indirecta, se servem do futebol, por razões de audiência e manipulação contra o povo.

Apesar da intoxicação feita a partir dos canais televisivos... o Benfica não tem culpa do aproveitamento que é feito pelas TV.s, horas e horas a falar sobre o mesmo assunto, transformando um assunto de natureza exclusivamente de futebol e da gestão dos clubes, num assunto cinicamente utilizado para alimentarem audiências idiotas dependentes... Já que, a simples mudança de um canal do esgoto, por outro... Não muda nada... o idiota dependente, o que deveria era, quer ouvir... é o artista principal... e não as interpretações sem sentido, para alimentarem o animalesco... e que para o adepto, tanto lhe faz ser feito, por um ou outro canal.

E o artista do momento em termos dos tais canais do lixo... é o Jorge Jesus... que o Benfica foi buscar ao Brasil... por razões desportivas e societárias... na busca de resultados que não teve este ano... e por razões de projecto mais ambicioso no plano internacional.

Não é o Benfica, nem o Jorge Jesus, que se servem das televisões, mas antes... o contrário... que se servem do futebol e de tudo em concreto que lhe diz respeito e o conspurcam.

Estas questões... e mesmo para serem profundamente escalpelizadas, por "opinion makers" comentadores... e dirigentes desportivos ou outros ligados profissionalmente ao futebol... demoram uma manhã ou uma tarde... ou mesmo um dia inteiro no… máximo.

Porque fazem render o peixe... com centenas de horas de reportagem e debates?

Portanto, não é o Benfica, nem a qualidade do futebol português, que está no centro das preocupações de tantas horas e dias, semanas e meses em discussão estéril, é isso sim, para alimentar a fúria animalesca e os manter presos compulsivamente ao écran… os adeptos, para terem assuntos a todo o tempo, nos canais do lixo televisivo, a pretexto do futebol... e serviram a alienação social, deformando a realidade das coisas para manterem os idiotas produzidos em transe permanente!

Por razões comparativas inversas... e melhor se perceber como se faz a manipulação e se formam idiotas pelos canais do lixo televisivo... em furiosos consumidores compulsivo/dependentes, vejamos, o que se passa com os pivots televisivos.

- Os que mais tornam o povo idiota… por falta de nível cultural e de mediocridade natural à solta, se transformam em estrelas para os ignorantes, apoiados na propaganda e nas revistas cor de rosa... pelo mostrar da liga ou a cor da cueca, para apimentar as razões perversas implícitas dos apelos subtis irracionais.

Mas cuidado com os limites do tirar partido da promoção da tanta mediocridade… Não vá o diabo tecer… e de tanta manipulação… uma artista… agora estrela candente nestas andanças dos idiotas… se vir a tornar na primeira mulher Presidente da República Portuguesa… dos bananas!

Qualquer pessoa mais atenta, percebe que há uma regressão nos níveis de compreensão cultural dos portugueses de hoje… o que não é normal… alguém é responsável por este estado de coisas… a impunidade televisiva explorada até aos limites da irracionalidade impensável, contra o povo, por razões comerciais, sociais e políticas perversas.

- A inteligência e franqueza, foi substituída pela habilidade e a esperteza… e a partilha solidária… pela patifaria, e o egoísmo e morbidez irracional individualista.

António Jorge

Mais uma golpada... Democrática!

 

Mais uma golpada... Democrática!

- No protetorado à beira-mar plantado!

Portugal um país deprimido e cada vez mais dependente de comprimidos!

A única certeza boa que temos... é que Jesus regressou à terra prometida de um povo eleito. A Democracia portuguesa, que de si já é uma Democracia sem substância... por falta de participação do povo e os níveis elevados de idiotas formatados pelos canais do esgoto televisivo, que esvaziaram a democracia de abril.

Porque é apenas uma cópia da Democracia formal e representativa... Ainda mais empobrecida agora.

O pouco... que permitia no Parlamento, questionar e fiscalizar politicamente o governo... Foi democraticamente... banido pela golpada dos chamados partidos do Bloco Central... da partilha rotativa do poder - PS e PSD!

Só aos países frugais e outros que tais do Norte da Europa da UE... É permitido, saber e controlar o que se passa no país... pelo direito indigno de perca de soberania... por imposição da esmola feita, por uma nova tróica... dos 5 países teutónicos.

Com esta golpada democrática... o Primeiro Ministro, deixa de ter de ir prestar contas ao Parlamento de 15 em 15 dias... e passa a ir, só de dois em dois meses... e se quiser... Não vai... pode delegar!

Sinais preocupantes do que por ai vem... quando se foge em tempos de paz... mas... agravados pela crise, de ter de prestar contas ao povo... algo está errado em termos políticos e democráticos.

Num país onde empobrecer mais... é um crime social indigno de quem o executa e consente... confirmado pela realidade actual da distribuição da renda em Portugal, em termos proporcionais... pela parte da riqueza que cabe... cada vez mais aos ricos e... o pouco que resta para o trabalho.

Como é evidente... com o aumento das dificuldades sociais e empobrecimento que se adivinha... e a fuga do PM, pra-frente... por recusa democrática.

- Estamos a um passo a médio prazo, da chamada Democracia suspensa!

António Jorge

Afinal... O tiro da bazuca foi de pólvora seca em Bruxelas.

Afinal... O tiro da bazuca foi de pólvora seca em Bruxelas.

- Era preferível levar a fisga!

A aceitação das condições propostas pelos forretas do norte, dirigidos pela Holanda... Não é uma vitória... nem sequer meia... é uma derrota em toda a linha.

Mas não culpo só Portugal... culpo os outros que tendo uma dimensão de cinco a sete vezes maiores que Portugal... que é o elo mais fraco dos pedintes do covide...

- É de facto uma capitulação vergonhosa, aceitarem as condições impostas pela Holanda... aos países submissos submetidos.

É indigno!

É claro que... a mão sinistra escondida que está por detrás da Holanda... não se vê, mas sente-se de onde vem esse poder. Vem de fora da Europa... e não é da Rússia nem da China!

Aceitarem serem estes países sujeitos a controlo dos agiotas... significa falta de soberania e dignidade nacional destes países dos quais fazemos parte.

- Pintem e digam o que quiserem... nem todos somos tolos ou idiotas!

NÃO É POR EU SER POBRE QUE ACEITO DINHEIRO INDIGNO!

Em Angola, passaram-me pelas mãos milhões... e regressei a Portugal, com dez mil euros...

Porque nunca aceitei ser palhaço nas mãos de ninguém.

António Jorge

Quadro de Dimosthenis Prodromou

 

Ser português agora... - É um luxo!

 

Ser português agora... - É um luxo!

Não é pra todos! É ser feliz, por gostar de ver televisão e acreditar em tudo o que vêem e ouvem, curtir o futebol de domingo a domingo... diariamente e a toda a hora... os treinos, as previsões dos treinadores, os comentários dos comentadores... sucessivamente comentados, os carros dos jogadores, as luvas de uns e de outros... foi... ou não foi penalti... o gamanço dos árbitros... nem que não seja, se perder-mos alguém tem a culpa... as possíveis transferências de jogadores e os milhões... de cá para lá... e de lá para cá... os famosos e famosas... como vestem e se calçam... o charme discreto... do brilho dos travestis... delirar com a especulação dos crimes de sangue e as intrigas da sociedade... as novelas... da tarde e da noite...

É um fartar de sucessos a desfilar em catadupa acompanhado pela música pimba... que mostra bem o nosso nível cultural e estético. Por isso nada nos surpreende... estamos muito à frente.

Ninguém se nos compara.

A vantagem de ser-mos assim, que nos salienta e alimenta o ego... e nos faz diferentes dos outros.

- O Jesus regressou à terra prometida.

Temos o Ronaldo, o João Félix e o Bruno Fernandes, o Porto é campeão... pro ano será outro ou o mesmo... o importante é acreditar... temos a Cristina e o Goucha... e como comentadores os melhores... da direita e extrema-direita...somos um povo eleito entre os melhores do Mundo... e arredores.

Afinal porquê indignar-me... com os que nos insultam como povo e nação... o importante é aguentar a esperança de que tudo está bem... apesar do que por ai vem... e da certeza que vai ser melhor ainda... depois do covid.

Nunca estivemos tão bem! O nosso primeiro AC, já garantiu algum... por uns tempos não temos que nos preocupar com o futuro!

António Jorge

Quadro de EDUARDO KINGMAN pintor e gravador, ecuatoriano.

O segundo ultimato feito a Portugal - Depois do Inglês de 1890, o holandês… agora!

 

O segundo ultimato feito a Portugal - Depois do Inglês de 1890, o holandês… agora!

Finalmente os portugueses vão saber e sofrer as consequências da aventura política em que nos meteram, nomeadamente desde 1986, pela mão de Mário Soares.

Agora desapossados dos meios económicos e de desenvolvimento autónomos e independentes do país, só nos resta rastejar e esmolar. A situação que estamos a viver hoje, supera a agressão do Império Britânico, que nos humilhou com o Ultimato de 1890, a propósito da nossa tentativa de impor o Mapa Cor de Rosa… a ideia de ligar, por terra, Angola a Moçambique.

De tal forma foi sentida a indignação nacional dos portugueses pela humilhação… que mesmo estando Portugal atrasado social e economicamente… com a indignação, surgiu o movimento republicano e se implantou a primeira tentativa republicana em Portugal, pela revolta do 31 de janeiro no Porto, que Declarou a República Portuguesa, que foi esmagada pelas forças leais à Monarquia e de que sobraram os ideais, a bandeira e o Hino de Portugal… a Portuguesa.

- Sendo a republica resgatada a 5 de outubro de 1910 em Lisboa… Não sem um acontecimento decisivo… o regicídio em 1908. A morte do rei D. Carlos e do seu filho, o principe herdeiro, Luís Filipe.

ESTAMOS AGORA PERANTE UM NOVO ULTIMATO, E PIOR AINDA QUE O INGLÊS.

- O Ultimato inglês, tinha uma base de sustentação… as disputas sobre a ocupação colonial da África, após a Conferência de Berlim de 1884/1885.

Porque agora… este ultimato, surge dentro de uma organização, a União Europeia, em que supostamente todos os países tem os mesmos direitos como principio.

Como explicar-se a tentativa da Holanda e seus sequazes desaforadamente, quererem ser inopinadamente e ilicitamente, um poder Supranacional dentro dos poderes da UE… e quererem colonizar outros países europeus como Portugal, tutelando a aplicação das imposições resultantes do acordo de auxilio aos países mais atingidos pelo Covid… por serem economias menos desenvolvidas.

Porém e tal como antes aconteceu… e que nos conduziram até aqui ao desastre… as televisões por manipulação e ideologia de direita e dos seus comentadores, vão dar o jeito do costume… como já pude verificar ontem à noite na SIC.

Acharem… legitimo a Holanda e seus sequazes… controlarem os outros países.

Com este tipo de comentadores mercenários, que já antes fizeram o seu trabalho… destruíram por completa a resistência política dos portugueses pelo anti-comunismo destilado durante décadas e a capacidade da massa critica democrática que o país ainda tinha… hoje é só idiotas produzidos em massa pelos canais do esgoto televisivo.

Continuam a achar que os países devem ser geridos como empresas… na base de que tudo é mercadoria transacionável… até os povos e as suas bandeiras.

Pelo que o que nos resta agora e seguindo o que alguns disseram nas TV.s, terem tido a coragem de assumir-se desta forma, por cobardia e traição ao povo, e por proveito ideológico do sistema que lhes paga para fazerem isto mesmo.

E que no essencial o que defendem, é que tudo está bem… e que os portugueses podem passar a andarem agachados como macacos a pedir esmolas… ou com a caixa da graxa… para engraxarem os sapatos dos holandeses e levarem bicos no cu… com ou sem protector.

Mas… dá que pensar… há 129 anos (1891) e apesar do analfabetismo... o povo português ter-se indignado e lutado contra a traição nacional da Monarquia, submetida pelos ingleses… impondo o povo e a intelectualidade, os ideais da republica.

E hoje os portugueses, nem sequer se preocupam com o futuro dos seus filhos, aceitando por idiotice a submissão sórdida e manipulação grosseira dos meios da mentira organizada... o jugo político que lhes vão impor sem disso sequer… terem consciência e acabarem por conivência a venderem um país soberano com quase mil anos de história e conspurcarem a bandeira da república portuguesa!

António Jorge

Imagem: Povo de Ang Kiukok

Atentados à inteligência

 

Atentados à inteligência

- Como se transformou Portugal no paraíso de idiotas Onde nada faz sentido... em que tudo de mal nos pode acontecer!

Um povo, que transforma uma medíocre animadora de televisão com voz de cana-rachada, num caso de orgulho nacional.

- Mostra com toda a eloquência o nosso baixo nível cultural e estético, como povo!

- E sendo assim... vem merece-mos passar à condição de povo pateta... e pedinte internacional... porque nem sequer sabe, nem sente o ultraje e dimensão do insulto!

António Jorge Imagem:

Quadro de Eduardo Kingman

Os países do Sul da Europa, passam... a protectorado dos países do Norte!

 

Os países do Sul da Europa, passam... a protectorado dos países do Norte!

A INVERSÃO DO PROCESSO HISTÓRICO... A PASSAGEM DE ANTIGAS POTÊNCIAS COLONIAIS... À CONDIÇÃO DE COLONIZADOS!

Depois deste Encontro... que ainda decorre... da União Europeia

- Os países necessitados do Sul, passam a pobres e vão ter de provar regularmente, com Atestado de Pobreza... essa condição!

O empréstimo vem sobre a forma de esmola, dos países ricos para os países pobres. Tal qual, as esmolas doadas aos pobres pelos ricos... para os ricos assegurarem... comprarem por uns tostões... o seu futuro no Céu.

- Com o conselho... olha que não te volto a dar esmola... se for para comprares tabaco ou vinho.

Toma juízo... aprende a sofrer e a ser humilhado... senão... mais mais mal é teu! - Obrigada Senhor... por haver países assim tão bons para os outros; Holanda, Suécia, Noruega, Finlândia, Áustria... que tem muita pena de nós... e muita compaixão pelos pobres... como nós!

- Vai tudo ficar bem!

António Jorge

Imagem Pintura a óleo de Adam Lupton “O olhar do artista canadiano, que explora as lutas psicológicas e sociológicas na sociedade moderna.

Depois de morto por traição... o que nos resta fazer?

Depois de morto por traição... o que nos resta fazer?

O mais trágico para nós portugueses e Portugal... É que só agora, muitos de nós... se apercebem da total dimensão e consequências gravosas impensáveis da nossa entrada... à força, na UE... feita à toa, para agradar aos Estados Unidos... que criaram o modelo desta duvidosa união, por razões obscuras de hegemonia imperial dos USA e da imposição do modelo de economia selvagem neo-liberal de casino... da escola de Chicago... e da estratégia da globalização unipolar... para se apoderarem do Mundo e recolonizar.

Quem não sabe que os países do Benelux... são o núcleo duro da UE, imposto pelos USA. E que a Alemanha é a sua maior economia... mas que para poder manter uma posição comparável às outras poderosas economias... precisa sair debaixo da bota que... os USA... e virar-se para leste... onde mora o futuro... e participar na construção da Rota da Seda... e a Alemanha... ainda continua a marcar passo... até que a deixem agir.

Quem nos meteu na CEE/UE, já morreu, e agora já nada o pode castigar... só moralmente e politicamente por traição aos interesses de Portugal e dos portugueses.

Agora digo... como dizia o meu pai... - Depois do burro morto... cevada ao rabo!

- Cavaco, com cerca de vinte anos alternados como PM e PR, deu-nos o golpe fatal... escavacou e destruiu a nossa economia; indústria, pescas e agricultura...

Nem sequer é possível hoje, conseguir uma alternativa de modelo económico independente... só por fases e durante etapas a percorrer no tempo. Salvo se... e a partir da França, Itália e Espanha... se abrir um processo aglutinador dos países latinos da Europa do Sul... no qual incluo a Grécia... O grego é pai do latim... e avô do português, do castelhano, do francês, italiano e do romeno.

Andiamo gente!

António Jorge

Amanhã será o dia da prova final da desgraça anunciada!

 

Amanhã será o dia da prova final da desgraça anunciada!

- A Reunião do Conselho Europeu... Premonições!

A pretexto do covid e da crise económica em consequência... os países do Benelux e os Nórdicos... e outros por omissão... irão provar a sua força de influência e poder na União Europeia e no Banco Central Europeu... e vão radicalizar para diminuir as propostas antes mais ou menos... prometidas, para valores muito inferiores, e sob condições draconianas... a conceder aos países do Sul da Europa.

É expectável a tentativa de uma humilhação... por duas razões fundamentais... arruinar as economias e as consequências sociais advindas da crise para os países do sul da Europa... e fixar de forma exemplar a ideia racial da inferioridade cultural dos países e povos latinos... é este o momento... por razões estratégicas e políticas... com a manutenção do medo congeminado e do bloqueio da economia... mais ações de chantagem económicas, como a que se verificou, pelo absurdo de nos atirarem... por má fé, para o vermelho... inviabilizando o inicio da recuperação económica através de um segmento importante da economia nacional... o sector do turismo, impedindo a circulação dos cidadãos dos países europeus... bloqueando Portugal, ainda sem condições para entrar e sair... da Península Ibérica... e pouco mais... e rebentarem assim com a nossa economia... e colocar-nos como pedintes obedientes da Europa... dos viking e arianos... a Europa rica... entre eles!

A pretexto do covid... cuja intenção inicial era a venda de bilhões de vacinas... a pretexto da peste... vão aproveitar-se do covid, para arruinarem as economias de muitos países... para a seguir os endividarem e hipotecarem!

- Veremos amanhã... se me enganei?

Imagem: Arte abstrata, Sílvio Matos

António Jorge

Ó branco, vai pra tua terra...

- Passei por isto algumas vezes em Luanda.

Mas não me deixei levar pela ideia simplista do racismo... ter dois sentidos... Irritei-me e indignado sempre respondi a esta agressão verbal... é desolador para qualquer um... e mais ainda para mim, que nunca fui racista, ser a minha mulher preta e angolana e ter filhos mestiços... e ter ido para Angola já depois da independência, pela qual também lutei… e guiado pelo idealismo de ser útil a Angola, e aos angolanos, para ajudar à construção de um país novo, mais igual, mais fraterno e desenvolvido, misturando-me e convivendo com o povo, desde o pé descalço ao rico... académico ou político… deputados ou ministros e mesmo com relações profissionais privilegiadas com a alta hierarquia da igreja católica, nomeadamente a Universidade Católica de Angola e mesmo o seu Cardeal, de quem fui... e sou amigo e editor dos seus livros.

- Eu sabia, que apesar de em Angola, mais do que em qualquer outro país africano, qualquer outro… como eu, de etnia branca, podia andar por qualquer arrabalde de Luanda, no centro ou na periferia… mesmo em tempos de guerra. A violência em Angola, não era... nem é do tipo racista, contra os brancos ou chineses… ela era e é… a consequência da miséria e das enormes assimetria sociais… que infelizmente persistem, e não se sabe até quando... quer na província e particularmente visíveis, nas grandes cidades, como Luanda, hoje com cerca de 8 milhões de habitantes.

E como tenho passado e luta política, como anti-fascista e porque fui durante muitos anos após abril, dirigente sindical do MSU… e estudioso da história de Portugal, desde os bancos da escola primária… em que nos ensinavam, a falácia oficial pela ideia falsa, da existência de um Portugal do Minho a Timor.

E por influência recebida da educação do meu pai... do meu próprio esforço, e pela leitura selecionada da história e a sua análise… e ainda pelas influências recebidas de outros democratas… aprendi a crescer… a entender e interpretar o Mundo e os outros.

Eu sabia… tinha essa obrigação de saber… que cheguei num tempo a Angola, em que muitos dos angolanos que sofreram as perseguições impiedosas da PIDE, de 13 anos de guerra e do regime colonial português secular… e muitos ainda eram vivos, ou os seus filhos e netos.

O comum das pessoas não sabem, nem pensam ou já se esqueceram dos que sofreram pela escravidão e pelo colonialismo e pela guerra colonial… a manutenção de Portugal em África, através dos séculos foi feita à custa da opressão, da exploração e morte dos que ousavam por em causa esse poder insano e ilegítimo.

Como é evidente… no tempo colonial a maioria do povo sofria, desde às más condições de vida, à discriminação racial e social… só a minoria de alguns assimilados, eram protegidos… e ainda hoje se sabe quem são ou eram… muitos deles produzidos, pelo neocolonialismo português… e até algumas famílias, que enriqueceram ligadas ao negócio desumano escravismo, nomeadamente do século XIX.

Voltando… ao... branco vai para a tua terra... e eu sentia-me duplamente injustiçado e indignado… Mas passada a fase da adrenalina... os primeiros momentos… Eu reconhecia as razões de alguns… em alguns momentos maus que passei… e não aceitando… compreendia.

Em conclusão não existe o racismo igual de branco para preto ou de preto para branco… O que existe é uma causa e o seu efeito!

Fico triste e a pensar, que muitos portugueses ainda hoje, passados 46 anos da liberdade de abril, ainda não foram capazes de extirpar de si… e pensam que sim… a influência da incubação do racismo que subsiste, por atrofia e do pormenor em si, por incompreensão histórica e cultural.

- Ao ponto de quererem que os africanos se manifestem e lutem contra o racismo segundo o que eles pensam... por paternalismo e influência do que lhes ensinaram… erradamente nos tempos do fascismo nos bancos da escola... deturpando e não compreendendo a vitima.

Infelizmente o racismo continua a existir em muita gente. - Nuns de forma activa, noutros passiva... É um vírus maligno!

António Jorge Ex. Vice Presidente da Associação 25 de Abril em Angola

Manifesto da Consciência

 

Deixamos de viver a vida em toda a sua dimensão e plenitude… e sobrevivemos, apenas.

Vivemos sem finalidade e sem sentido… um dia de cada vez. O lado subjectivo da vida, já não existe. Está tudo já feito em nosso nome…

A vida agora é uma espécie de grande supermercado onde se compram, apenas as ilusões… e as desilusões.

Tudo é falso, perigoso e preconcebido em nosso nome. Deixamos de ser.... e ter até o direito ao livre arbítrio… Mesmo dentro do sistema capitalista, que nos alienou e nos conduziu até aqui… e que é a negação da sua própria razão de existência… E sem dar-mos por ela… ou por isso... os muitos que sustentam por ilusão e ignorância este sistema… a maioria dos idiotas... ajudaram até, a substituíram o direito à metamorfose social… do que antes chamavam de liberdade… da iniciativa privada, pela imposição forçada da economia de mercado em que sobrevivemos:

A concentração das riquezas, da racionalização da economia em nome do trabalho, o controlo financeiro e político pelas elites da aristocracia económica e financeira, nomeadas em nome da democracia. A que pomposamente chamamos de DEMOCRACIA, Para legitimar a exploração dos povos pela concentração da riqueza pornográfica em alguns apenas... (os 1% dos muito ricos) da riqueza produzida para eles, ao nível mundial, em nome da liberdade e dos direitos humanos. Apoiados numa comunicação social cínica e pérfida, ao serviço dos mitos e da alienação dos povos.

- A Democracia hoje, é apenas o acto de VOTAR… serve para continuar-mos a ter mais do mesmo… ou menos ainda, e mais nada. Este tipo de sociedade… que deseduca os nossos filhos e netos… e os torna infelizes consumidores compulsivos e sem futuro... destruiu o presente a esperança do futuro… e conduziu a sociedade ao beco sem saída em que se encontra… a humanidade…

É o melhor dos Mundos... pela vontade inequivocamente democrática dos idiotas... e a atitude absurda dos povos!

Quando o presente sem futuro, passou a ser pior do que o passado? Viver deixou de fazer sentido!

António Jorge 

Anexo do Manifesto da Consciência...

 

A esperança em Portugal, já não é verde... É negra como a fome que por ai vem!

Quando se aceita como normal o roubo do ouro da Venezuela, depositado num banco inglês... e recusada a sua devolução ao seu dono legitimo... o povo da República Venezuelana.

- É um acto de pirataria colonialista feita em pleno século XXI. Roubo feito em nome de falsos pretextos, como o são querer impor o palhaço Gaidó... fabricado pelo excêntrico fascista dos USA, Donald Trump, apoiado pelo troglodita Bolsonaro e pelo excêntrico Johnson... que nos mandou agora à merda... apesar da velha aliança e passado... desviando os turistas ingleses (cerca de 3 milhões/ano) para outros lugares da Europa... com eles.

Quando se aceita... e até se defendem os bloqueios económicos terroristas, feitos a Cuba e à Venezuela, como normal, justificados pela falácia da democracia e dos falsos direitos humanos. Quando se aceita e acha normal, que o ruinoso Novo Banco - Não devolva os mais de dois mil milhões de dólares da República da Venezuela, mais ainda necessários para a República da Venezuela, puder adquirir medicamentos em tempos da doença da pandemia Covid. Quando a TAP, ainda como é óbvio, está em fase de estudo da sua reconversão... e tal como o fazem em análogas situações... os canais televisivos... que desde logo falam em despedimentos, para forçar as situações em favor dos acionistas e despedir... criar assunto para os politicos da direita faladrarem e sentenciarem.

QUE ESPERANÇAS PODEMOS TER RELATIVAMENTE AO PRESENTE E AO FUTURO? UM POVO QUE ACEITA O TERRORISMO E ROUBO DE ESTADO COMO LEGITIMO?

O POVO PORTUGUÊS NÃO PODE NEM DEVE DAR COBERTURA E ACEITAR PARTICIPAR, POR OMISSÃO OU REPRESENTAÇÃO POLÍTICA INDIRECTA... DESTES ROUBOS QUE SE ASSEMELHAM A ASSALTOS À MÃO ARMADA!

Já não existe consciência, nem moral social nem política no povo português... destruído por décadas a ser intoxicado pelos filmes de Hoolyood e as televisões cá da terra. - Vegeta na agonia do próprio capitalismo sórdido que alimentou e gerou no seu ventre! Como não há país sem a participação do povo... por que tipo de Portugal se pode esperar?

António Jorge

Compreender o processo histórico! 16.07.2020

 

Compreender o processo histórico!

Uma espécie humana em vias de desaparecimento - Os nascidos em meados do século passado. Nós... os homens e mulheres de meados do século passado

- Somos a última geração do fim do estado sólido. As gerações seguintes, filhos e sobrinhos... já são gerações híbridas de transição, entre o estado sólido do passado e o estado liquido actual da sociedade no presente.

- Como... continuar a nossa luta e da humanidade? O contexto político social mudou com as novas formas de produção... Mas o capitalismo mantém-se mais feroz e explorador que nunca. Será que a transição do passado do estado sólido (modernidade) para o estado líquido (pós-modernidade) puseram fim à utopia? A dialéctica existirá sempre, faz parte das dinâmicas sociais e da economia... e da própria vida... e do Mundo, sempre em mudança... porém jamais será como pensava-mos e queria-mos... a mudança para uma vida mais digna e melhor, será sempre uma aspiração da humanidade... mas obedecerá às novas realidades em movimento e segundo os novos padrões e valores sociais e culturais predominantes e em curso... e as lutas políticas, entre o cada vez maior numero de explorados pelo individualismo e a precariedade, os novos métodos de exploração capitalista, cada vez mais refinados... e por outro lado, os exploradores cada vez menos, pela riqueza concentrada nas mãos de uma minoria... os representados no poder, pelo poder económico e financeiro da economia neo-liberal mundial... e cada vez mais donos exclusivos do sistema político/económico... da informação organizada da mentira e da sua manipulação... do chamado Estado de Direito e da justiça de classe patronal... a corrupção do poder, cada vez mais misturado entre o político e os interesses económicos privados, submetido aos interesses dos grandes grupos de interesses económicos, nacionais e transnacionais, as polícias de todo o tipo, a vigilância pública e privada, os vários tipos de controlo, que aprisionam a democracia e a liberdade... sem verdade, sem moral, sem justiça social... e sem substância.

As relações na modernidade líquida, os vínculos humanos têm consigo a chance de serem rompidos a qualquer momento, causando uma disposição ao isolamento social, onde um grande número de pessoas escolhe vivenciar uma rotina solitária. Isso também contribui e enfraquece a solidariedade e estimula a insensibilidade em relação ao sofrimento do outro. Esse tipo de isolamento parece ser uma contradição da globalização, que aproxima as pessoas com a tecnologia e novas formas de comunicação.

Mas se tudo ocorre com intensa velocidade, isso também se reflete nas relações pessoais. As relações tornaram-se mais flexíveis, gerando níveis de incertezas e de insegurança maiores.

Será a humanidade capaz de resistir ao assalto?

Seremos nós capazes de compreender atempadamente o futuro... pela necessária alteração da compreensão do presente e intervir? Se não formos capazes de perceber as mudanças trazidas pelo novo modo de produção, a globalização... e interdependência que se manterão... independentemente das possíveis e inevitáveis rupturas e do surgimento de novos ajustamentos de natureza regional geográfico continental e mundial.

Os homens e as mulheres dos meus tempos... a geração dos anos 50 e 60, do século passado, é já... uma geração em estado de extinção.

Fomos educados nos valores e influências trazidos pela classe operária da revolução industrial... que terminou cerca dos anos 70... estamos culturalmente marcados e formatados pelo estado sólido... os nossos filhos e netos... viveram e estão influenciados por duas realidades... a do passado como nós... e que lhes transmitimos e entre a sua infância e juventude... e as do presente... adquiridas pela realidade actual... do estado líquido e efervescência da realidade presente.

Nós fomos educados principalmente pelas nossas mães... e os valores solidários dos nossos pais. Por isso era-mos... e somos diferentes perante a vida e a luta.

Os nossos filhos e principalmente os netos, das gerações do meu tempo, são educados pelas televisões e os meios da net... "comem" tudo o que lhes dão sem questionar e sem capacidade de perceber e analisar... o que é verdade ou mentira... o real do virtual, na alienação e no consumismo compulsivo... por isso são vazios de ideias, individualistas, egoístas, sem a mesma intensidade e forma de se relacionar no amor e na vida, a família, pelas pessoas e amizades em geral... a cultura do envio dos pais para os centros de terceira idade, para aí, acabarem até à chegada do seu fim... e que não existia no nosso tempo.

Os conceitos de família, mudaram... e em grande parte os sentimentos e as mais profundas emoções morreram.

Na modernidade líquida, o indivíduo é que moldará a sociedade à sua personalidade. Primeiro, sem os parâmetros da modernidade sólida, o indivíduo será definido pelo seu estilo de vida, por aquilo que ele consome e o modo que consome.

Segundo, na modernidade líquida, há sempre movimentação. As pessoas agora deslocam-se mais facilmente e podem viver em vários lugares do mundo, sempre quando têm recursos para tal.

Terceiro, a competição econômica, que fez os salários diminuírem e os trabalhadores perderem a segurança do emprego. Na modernidade líquida, já não é mais possível trabalhar toda vida na mesma empresa. Assim, a modernidade líquida: • é fluída; • está sempre em movimento;

• é imprevisível. Isto abre um novo paradigma, pois agora é preciso pensar a sociedade em termos fluidos, de processos e não mais em termos de blocos.

Como diz, Bauman, os indivíduos, nesta sociedade líquida, tendem a considerar que a atitude mais racional é a de não se comprometerem com o que quer que seja... Não assumem nada. Assim, quando uma nova oportunidade ou ideia aparecem... o indivíduo se engaja sem problemas. Como esta volatilidade impacta em nossa vida?

A modernidade líquida nos dá uma sensação de incertezas e de fracasso por tanta fragmentação.

- Era por isso, uma questão muito importante para Bauman, será a construção de uma ética dentro desse cenário fluido. As condições necessárias para garantir a sobrevivência humana (ou, ao menos, para aumentar as suas probabilidades) deixou de ser divisível e 'localizável'. O sofrimento e os problemas de nossos dias tem, em todas as suas múltiplas formas e verdades, raízes universais que precisam de soluções políticas.

Como... continuar a luta do precariado?

- A nova questão! O contexto político social mudou com as novas formas de produção... Mas o capitalismo mantém-se mais feroz e explorador que nunca.

Será que a transição do passado do estado sólido (modernidade) para o estado líquido (pós-modernidade) puseram fim à utopia? Seremos nós capazes de compreender atempadamente o futuro... pela necessária alteração da compreensão do presente... e intervir?

As relações sociais no estado líquido da actualidade... os vínculos humanos são frágeis e precários, rompem-se a qualquer momento, com facilidade, causando uma pré-disposição para o isolamento social, onde um grande número de pessoas escolhe vivenciar uma rotina solitária.

- E isso também enfraquece a solidariedade e estimula a insensibilidade em relação ao sofrimento do outro. Este tipo de isolamento parece ser uma contradição da globalização, controlada pelos meios do poder... e que se por um lado, aproxima as pessoas com as novas tecnologia e novas formas de comunicação.

Mas se... tudo isto ocorre com intensa velocidade e volatilidade... tudo isto... também se reflete nas fragilidades das relações pessoais e nas formas de intervenção política e social!

Para onde caminhamos com o futuro ameaçado?

António Jorge

Pintura cubismo de Laurent Folco - França

Ver a Árvore... E não ver a Floresta!

Ver a Árvore... E não ver a Floresta! A crise anunciada...

- A sociologia das sociedades no presente... o covid e a natureza perversa da classe política no poder global.

 

É suposto um forte agravamento das condições da qualidade de vida, em função da regressão económica em curso... agravamento que parece propositado para agudizar, sob o aproveitamento e da justificação do covid.

A sociedade democrática, já de si bastante fragilizada, económica, social, cultural e politicamente, dada a sua incapacidade em descobrir o que entretanto mudou na Europa e no Mundo. - Continua, agarrada ao passado... sem perceber o que mudou nas sociedades... e não conseguiu ainda enxergar, nem ter a percepção das mudanças entretanto havidas, com o fim da revolução industrial em meados dos anos 80 do século passado e a consolidação da revolução técnica e cientifica sob a tutela do neo-liberalismo económico, criado pela escola de Chicago e dirigido pela aristocracia económica e financeira internacional sediada na Wall Street.

A modernidade sólida... socieada anterior, era caracterizada pela rigidez e solidificação das relações humanas, das relações sociais, da ciência e do pensamento. A busca pela verdade era um compromisso sério para os pensadores da modernidade sólida. As relações sociais e familiares eram rígidas e duradouras, e o que se queria era um cuidado com a tradição. Apesar dos aspectos negativos reconhecidos por Bauman da modernidade sólida, o aspecto positivo era a confiança na rigidez das instituições e na solidificação das relações humanas.

A modernidade actual em que vivemos hoje, é “líquida” e “veloz”, mais dinâmica que a modernidade “sólida” que suplantou. A passagem de uma sociedade... a anterior, para a outra... a actual, acarretou profundas mudanças em todos os aspectos das sociedades e da vida humana. A modernidade líquida seria… é…”um mundo repleto de sinais confusos, com mutações constantes, rápidas e imprevisíveis”.

Na sociedade contemporânea, emergem o individualismo, a fluidez e a efemeridade das relações de todo o tipo... E esta é já, a sociedade em que vivemos. - "Nada foi feito para durar”. Essa é uma das frases mais famosas do sociólogo Zygmunt Bauman, falecido em janeiro de 2017, aos 91 anos.

Ele deixou uma obra volumosa, com mais de 50 livros, e é considerado um dos pensadores mais importantes e populares do fim do século 20. As suas ideias refletem sobre a era contemporânea em temas como a sociedade de consumo, ética e valores humanos, as relações afetivas, a globalização e o papel da política. Bauman, nasceu na Polônia em 1925, serviu como militar durante a Segunda Guerra Mundial contra o Nazismo, foi militante do Partido Comunista e professor da Universidade em Varsóvia. 

O tempo em que vivemos é chamado por muitos pensadores como “pós-modernidade”. O termo foi popularizado em 1979 pelo pensador francês Jean-François Lyotard (1924-1998). Para Lyotard, esse é o período em que todas as grandes narrativas (visões de mundo) entram em crise e os indivíduos estão livres… para criar tudo novo.

- Bauman não utiliza o termo pós-modernidade. Ele cunhou o conceito de “modernidade líquida” para definir o tempo presente. Escolheu a metáfora do “líquido” ou da fluidez como o principal aspecto do estado dessas mudanças. Um líquido sofre constante mudança e não conserva a sua forma por muito tempo.

- O Covid, acelerou a necessidade do nosso conhecimento, pelo menos elementar, da sociologia da modernidade líquida… que é aquela em que vivemos na fase actual. Só assim podemos compreender o que se passa, e agir politicamente conscientemente nas lutas pelo futuro.

- Sem compreender-mos o que se passa no Mundo contemporâneo e as suas rápidas mutações... económicas, sociais e culturais

- Deixamos de poder participar conscientemente na evolução das sociedades humanas e do futuro da humanidade global.

António Jorge

Para que serve a racionalização económica empresarial neo-liberal

Para que serve a racionalização económica empresarial neo-liberal - E que nos é apresentada sob a pomposa forma de inovação e globalização?

Os meios tecnológicos criados à velocidade da luz, pela revolução técnica e cientifica, deveriam ser, para melhorar as condições humanas de trabalho… pela utilização suplementar dessas ferramentas. Mais… se à utilização dos novos meios, juntar-mos a concentração do capital empresarial do sector terciário; comércio e serviços, restauração, turismo, banca, seguros, etc -

Tal como vai acontecendo desde meados dos anos 90 do século passado… o que aconteceu do ponto de vista; económico e social em Portugal? A substituição das empresas nacionais pelos grandes grupos comerciais e marcas internacionais.

Quais foram as suas consequências económicas e sociais? Redução dos salários, hoje abaixo dos que eram praticados nos tempos do antigo regime da ditadura. E metade do valor salarial de há 20 anos atrás.

Horários selvagens, sem controlo, trabalho a prazo, a termo e sem direitos. Nos horários para o comércio e serviços, um recuo histórico de mais de 100 anos.

E o aumento astronómico da riqueza empresarial comercial, nacional e estrangeiro das grandes empresas e marcas. Como se explica… se aumentaram os resultados da exploração empresarial… qual a explicação para uma tão grande redução dos salários no sector do comércio e serviços? (Falo deste sector, porque é aquele que eu melhor conheço - Porque fui empregado do comércio desde os 11 anos de idade e dirigente sindical no Porto e a nível nacional)

- Por alturas do 25 de abril de 1974, no sector do comércio, existiam cerca de 300 mil comerciantes, a média de assalariados do comércio por empresa, era de cerca de 1,5 trabalhadores.

Havia cerca de 200 mil trabalhadores do comércio, predominantemente caixeiros. E pergunto, como é que esta estrutura empresarial, pagava o dobro dos salários, assegurava direitos e existia harmonização dos horários de trabalho?

O que ganharam os trabalhadores e os pequenos e médios empresários do comércio com a modernização do sector? Para os trabalhadores, veio o aumento da exploração, insegurança e intensidade de trabalho, com salários reduzidos a cerca de metade… sem direitos e sujeitos a horários selvagens.

Para os pequenos e médios comerciantes… veio a proletarização. Hoje apesar do crescimento do sector dos serviços, o comércio emprega muito menos gente que antes, tem muito menos trabalhadores e comerciantes e o crescimento pela concentração e racionalização do grande capital nacional e internacional, fez aumentar exponencialmente os seus lucros e resultados, como se explicar isto socialmente?

Quando o SMN - Salário Mínimo Nacional, 3.300.00 Escudos Mensais - foi criado pelo governo de Vasco Gonçalves em 1974 e actualizado em função da inflação e o aumento da produtividade.

Era o salário mínimo que se aplicava às chamadas zonas brancas do sector do comércio, serviços e industria. Zonas brancas, eram alguns dos sectores, que pela sua fraca representação ou nível de organização patronal e sindical - Não tinham ainda uma convenção colectiva de trabalho especifico - CCT- Contrato Colectivo de Trabalho, que estabelecia as condições mínimas das remunerações e as disposições das condições de trabalho, direitos e deveres regulado pelo seu clausulado. Ou seja, nenhum trabalhador, com mais de 18 anos de idade, poderia ganhar menos que o salário mínimo nacional, fixado pelo governo… e as convenções de trabalho, também não podiam fixar abaixo deste salário, para os maiores de 18 anos. Abaixo do salário mínimo nacional, só os praticantes e ajudantes, que ainda eram menores de idade.

Para se puder ter uma ideia do que foi roubado aos trabalhadores do comércio, explico ainda o seguinte: Existia como principio legal, o chamado quadro base de densidades; Por cada primeiro-caixeiro (operador especializado) tinha de haver, um determinado número de segundos e terceiros-caixeiros (operadores).O que explica que havia três escalões salariais acima do salário mínimo nacional… havia ainda outros escalões acima, como por exemplo o caixeiro-encarregado, gerentes de loja, etc. Interessa fixar aqui como elemento de análise o primeiro-caixeiro, porque o seu salário, era no mínimo, o dobro do salário mínimo nacional.

O que acontece hoje… é que as categorias profissionais… e que continuam a existir no presente… ganham o mesmo que os admitidos nas empresas desde que tenham 18 anos… O SALÁRIO MINIMO NACIONAL!

PERCEBERAM?

Para dizer ainda… que a existência de tantos comerciantes no passado, se explica, porque ainda era assegurada a iniciativa privada… e no Porto, cerca de 80% dos comerciantes, foram antes trabalhadores do comércio… que se estabeleceram… Porque apesar de tudo… ainda havia a possibilidade da metamorfose social… pela vontade e criatividade de criar um projecto autónomo seu… e muitos foram depois empresários de sucesso.

E agora quem tem acesso a isso… poder ter acesso ao que antes tinha-mos… criar um projecto… quem dá a mão?

Tudo foi tomado pelo capital e exploração… e nada sobrou! - As razões que explicam tudo isto… a ação patronal dos governos ao longo dos anos… a luta de classes, desenvolve-se num quadro trágico para os trabalhadores… sempre que avançam nos seus direitos salariais e sociais pela luta… os governos do centro direita interferem… para poderem manter os níveis de exploração e redistribuição da riqueza nacional.

 

António Jorge - Ex.presidente do sindicato do comércio do Porto e Ex.membro da comissão executiva da federação portuguesa dos sindicatos do comércio e serviços

Crime sem castigo!

O que se esconde na trilateral... Marcelo, Rio e Costa? Antigamente... no tempo da outra senhora... Politicamente Portugal era conhecido por conseguir ter a paz social e política... a dos cemitérios.

Passados 46 anos de abril... paradoxalmente... e desalmadamente, o poder saído de abril... quer desenterrar os cadáveres políticos, como Passos e Portas, Lda... que nos atiraram para a emigração e a miséria mais abjecta, reduziram salários, as reformas e destruíram os direitos dos trabalhadores e empresas públicas, além de privatízarem empresas estratégicas nacionais, para o capital estrangeiro, ao preço da uva mijona e corrupção premiada.

E como muito bem disse Jerónimo de Sousa, ontem no Porto, procuram agora reconstruir o Bloco Central... contra o povo, depois de uma crise sanitária, e da economia... querem abrir caminho à recuperação do bloco central.

Que o PSD, procure uma boleia... compreende-se... mas não se pode aceitar... que estando comprometido com o CDS, no empobrecimento do povo português, pela sua governação de terrorismo social no passado e ainda fresco na memória dos trabalhadores e do povo.

Porém... Rio que sofre as consequências de herdar este PSD de triste memória... Quer, através da PR e do governo do PS, recuperar de novo o PSD... ainda a chafurdar no lodo da ignominia, para conseguirem a criação do centrão político. - Já não se compreende é ser mais uma vez o PS, a procurar recuperar o inimigo... do castigo político dado pelo povo... ao PSD, pelos crimes feitos contra o povo e Portugal!

António Jorge

Alienação Total

Alienação total, pelo aproveitamento da pandemia... por razões inconfessáveis de natureza política perversa e de riqueza espúria e bárbara!

Os canais televisivos, passam a vida a matraquearem-nos a cabeça, para nos incutirem o medo encomendado!

BASTA DE ENCENAÇÃO E DE FALSA PREOCUPAÇÃO!

António Jorge

Palavras necessárias - Que fazer?

Palavras necessárias - Que fazer?

Quando nos atribuem rótulos de ignorante político... não saber que PS e PSD... São iguais? - Mas mesmo e apesar de eu não ter dito tal coisa... por favor analisar bem o texto por mim publicado hoje, com o titulo, Crime sem castigo. Mas será que são mesmo?

É preciso ter cuidado e controlar a raiva e o sectarismo... Então o PCP, apoiou o anterior governo do PS... e não sabia, que PS, é igual a PSD?

Quem apesar do que acha ser... um iluminado, afinal confunde e atrasa a luta.

O PS... sociologicamente é de esquerda... por isso falamos em traição ao socialismo. As estruturas dirigentes são elites, sociais-democratas.

Afinal de contas, diz-se que Portugal é de esquerda... e por razões de ataques absurdos pessoais a mim... diz-se que PS e PSD, são iguais... para fazer crer que eu não sei distinguir um e outro partido.

Uma coisa é falar para dentro... e mobilizar os menos cultos e informados... outra é querer criar inimigos onde não existem... e engrossar a voz para disfarçar fraquezas de nível político/ideológico.

António Jorge

Recado Para alguns… Lembrar Álvaro Cunhal

Recado Para alguns… Lembrar Álvaro Cunhal:

Cinco Notas sobre Forma e Conteúdo, publicado sob o pseudónimo de António Vale, na revista Vértice em 1954 1.

A «pureza» da arte e a posição dos «puristas» 2. A obra de arte e a realidade social 3. Aspectos do conteúdo da arte da decadência 4. O formalismo e o empobrecimento da forma 5. Uma arte de tendência: novo conteúdo, nova forma.

Lembrei-me de ir buscar esta obra prima de Álvaro Cunhal, porque preciso de encontrar razões que me justificam a motivação para continuar a escrever… e não divergir de vez, por reação à mediocridade do pensamento de certa gente que se diz ser comunista.

O comunismo além dos valores ético-morais e de consciência de classe, precisa ser estudado, para ser compreendido e interiorizado... e se transformar na práxis marxista do militante.

- Ontem, publiquei um texto com o titulo: Crime sem Castigo e vi-me na necessidade de publicar, um outro, com o titulo: Palavras Necessárias - Que fazer… mas nem assim consegui retirar o que me foi atribuído malévolamente ou por ignorância militante.

O que me levou a publicar esse texto, foram dar ênfase às declarações feitas, pelo SG do PCP Jerónimo de Sousa no Porto, sobre a eventual convergência de um novo bloco central, relacionado entre, Marcelo Rebelo de Sousa, Rui Rio e António Costa.

Claro que António Costa, nega esta intenção… e jura a pés juntos que não vai por esse caminho político… ao centro.

- Nós marxistas, sabemos o que é a dialéctica… e os seus efeitos no tempo, em função dos novos contextos e de fixar o momento para a concretização… do que não pode confessar agora, ser esse o seu intento.

Percebe-se a razão porque não pode assumir agora. Ainda está fresco na memória do povo e dos militantes e simpatizantes do PS… os efeitos das políticas de terror social e de traição nacional, seguidos pelo último governo do PSD, coligado ao CDS.

Porém… o que me leva a escrever este recado… é o sentir, que passados 46 anos de liberdade… não há evolução política e ideológica dos militantes, razão pela qual, no texto por mim publicado ontem… apesar de ser um texto simples… em que procurava problematizar a questão central do discurso de Jerónimo de Sousa no Porto… alguém que se diz ser… atribui-me no seu comentário… não sei porquê, algo inventado por ele, relacionado com a sua visão entre PS e PSD, que eu não disse nem consta no meu texto.

Moral desta história: A questão política suscitada por Jerónimo de Sousa, foi omitida… e o que prevaleceu, foi a insinuação atribuída... e de forma perversa a mim… que não está no texto, mas antes na cabeça dele… e assim… outros porque não leram, ou não são capazes de compreender um texto político simples de metade de uma página A4… atribuíram-me a mesma ideia sobre o que não digo no texto… nem sequer se poder inferir da análise do mesmo.

O meu problema não é o de não aceitar a critica… até porque faz falta e é necessária para crescer… mas rejeito a deturpação, a mentira e estupidez dos que, sem terem consciência… disso, se transformam em inimigos do socialismo e do comunismo e até enfraquecerem a luta unitária e a defesa da própria democracia.

Assim termino com algumas frases do que penso dever dizer: -

Não se é de esquerda só por se dizer mal da direita… apenas!

- Não se é revolucionário, por utilizar adjectivos grandiloquentes!

- A forma de pensar não pode ser pelo mesmo esquema mental de ser apenas… ao contrário do fascista!

- O sectarismo é inimigo da consciência política de classe!

- E raiva de classe, não é consciência de classe!

 

António Jorge - Ex. sindicalista e militante marxista

Perscrutar o futuro próximo... pós pandemia

Estamos sob forte ameaça Vivemos a fase do confinamento da morte anunciada... e preparada!

Vivemos uma situação complexa... e que para o comum dos mortais... parece ser apenas, as contradições resultantes da pandemia... e dos seus reflexos na economia global e dos países em geral.

Mas... sem falsos alarmismos... cuidado... temos de estar atentos e mobilizados, para as ameaças, que sob a falsa ideia da cobertura da pandemia... a que vão somando anúncios de novas vagas... Há uma agenda, que se pode ver... vir da alta aristocracia económica e financeira internacional... para abocanharem a economia mundial... pelo endividamento dos países... para assim assumirem de uma forma mais agressiva, sem contemplações... o domínio do Mundo.

De tal forma, que através do endividamento provocado e encoberto pelo actual contexto da luta contra a pandemia... e os seus reflexos agravados na economia mundo... se preparam para depois de arruinarem as economias nacionais... se preparam desde já, para a seguir, privatizarem os países; empresas, o património público e até os Estados e passarem a assumir ditatorialmente... os destinos da governação desses... muitos países endividados e sem meios para pagar a dívida às entidades financeiras internacionais... tais como BCE ou FMI.

Que não ajam ilusões... existe um clima de medo, e um processo de fazer prolongar no tempo... a histeria da pandemia... para assassinarem de vez a humanidade e se assenhorearem do Mundo... Tal como pretende desde há muito fazer o Clube de Bilderberg, com sede na Holanda e dirigidos por políticos das elites poderosas e donos das grandes multinacionais... que sem escrúpulos, pretendem dar o golpe final na humanidade... através dos centros do poder financeiro... de um e outro lado do Atlântico!

 

Estamos desmobilizados e aturdidos por excesso de manipulação... e de medo. - Será que vamos acordar do sono... desta anestesia preparada?

Acorda povo, para resistir e lutar!

António Jorge

O Pão da Vida é a luta!

Independentemente das incertezas que por ai vem… pós covid, assim continuará a ser.

- O pedaço de pão que nos caberá, será sempre uma consequência da dialéctica da vida e das nossas capacidades como povo capaz de resistir e lutar.

A primeira condição, para garantir o pão, é conhecer a nossa própria realidade interior… saber até onde podemos ir nessa luta, que é de todos os tempos e lugares. Precisamos saber de onde partimos… após uma nova realidade… e de ter de perceber, que os novos tempos, que por ai vem… apesar das incertezas, não serão nada fáceis para os povos e nomeadamente para os trabalhadores.

Temos de compreender o que mudou no processo histórico e adaptar a luta à nova realidade… sem abdicar dos princípios, sim… mas não ceder à tentação dos que não são capazes de enxergar a realidade do presente e ter medo de assumir certas rupturas… que ocorrem devido às novas necessidades, e à natureza das mudanças havidas na sociedade.

É fácil em teoria manter ideias taticistas em torno de chavões que já nada tem a ver com a realidade em que se desenrola a luta de classes.

- Não existe nenhum partido, por muito bem conduzido que seja, que corresponda à imagem e desejo do que cada um pensa ou quer.

Mas para mim o grande problema da organização… assenta numa realidade que precisa mudar.

O conhecimento ideológico militante, não dificulta a ação e a unidade… o que dificulta a ação, é a ignorância e não saber o que procuramos em cada etapa da nossa luta e objectivos.

A unidade não é um dogma… mas um meio indispensável da nossa ação e de luta. É preciso juntar a todos… pela importância de que, sendo obviamente de respeitar o princípio de que todos somos iguais… o contributo de cada um é susceptível de ser diferente… e quanto menos se privilegiar na ação o contributo mais consciente do militante e não o seguidismo, mais longe estamos de conseguir atingir os fins e objectivos da classe operária do passado e do presente, na construção do futuro de todos os assalariados, o que faz mudar o discurso pela realidade do novo processo de produção, e pela importância de todos os assalariados; operários, camponeses, empregados do comércio e serviços, hotelaria, função pública, motoristas, ferroviários, professores, enfermeiros, médicos e de todos os outros profissionais e licenciados.

Não se trata de revisionismo de nenhum tipo… mas antes da realidade, e compreender as alterações da composição das classes sociais e as novas dinâmicas na modernidade.

- Temos de ser mais fraternos uns com os outros e abrir novas formas de estar e compreender os novos tempos… mais preocupados e abrangentes na luta unitária em defesa das condições de vida e trabalho de todos, e da qualidade da nossa democracia.

- Eu nunca estive em conflito com a organização… nem a sua direção… mas nunca aceitei as políticas de capelínha… de certos militantes guiados pela mediocridade e a intriga, relacionado com os vícios da sociedade, e muito presente e marcante pela impreparação… o carreirismo e a falta de sentido crítico construtivo, devido à falta de capacidade ideológica militante dos quadros e que no interior, enfraquecem a qualidade do debate e da democracia interna na organização.

Eu vim de Angola, como militante depois de muitos anos de afastamento, por razões políticas concretas em torno das minhas divergências sobre a discussão da reestruturação sindical para o comércio e serviços… e que pela própria vida vivida, prova… que o meu ponto de vista, é que estava certo nessa altura… meados dos anos 80.

Mas mesmo fora e apesar dos convites importantes que tive, e nunca aceitando o que me era proposto no plano político e sindical, nunca fui dissidente… mesmo estando já fora da organização… por razões de ética e moral de classe e formação ideológica.

- Em muitos… uma simples mudança de aumento salarial e de melhores condições de trabalho ou por influência de outros… ou de um recuo da luta… mudam de direção… e passam a ter outra opinião.

No entanto quando aqui cheguei… a Portugal, (finais de 2017) ainda eu era militante da organização de onde vim, Luanda… e depois de quase 24 anos em Angola, e me liguei de novo a um processo associativo… verifiquei desde logo, que as velhas práticas negativas… se mantém na realidade interna adentro da organização… e devido a isso, me afastei de novo.

E assim… se nós próprios não conseguimos entre nós a unidade esclarecida e necessária à luta… como vamos conseguir a unidade e ação, com os que nos estão próximos socialmente, mas que pensam politicamente diferente.

- E que tem os mesmos anseios e necessidades… de conseguir o pão da vida… e combater o pão que o diabo amassou!

António Jorge

Texto retirado da minha página facebook de 9 de julho 2020

Portugal... Orgulhosamente só... ou quase...

Portugal... Orgulhosamente só... ou quase... - Antes por falta de Democracia...

Agora talvez por excesso... face aos padrões minimalistas europeus... Conservadores e de Direita.

 

- Vamos a pique... por revenge (vingança) empurrados pelo núcleo duro da UE.

Chantagem e guerra económica coordenada pela Europa do Norte, contra Portugal e os países do Sul.

E o mais grave, é que agora já nada podemos fazer, para sair do problema e salvar a honra e dignidade nacional humilhada... pela manipulação maquiavélica de aproveitamento do covid... associado à ausência de independência nacional... e soberania, falta de condições económicas e de desenvolvimento indispensáveis... de alternativa, para poder-mos prosseguir... tiraram-nos os meios e as ferramentas.

Puseram-nos... na UE, sem critérios e a qualquer preço.. e agora, tal como era previsivel.... andamos de cu pro ar a servir de bandeja na mão... e apanhar bolas de golfe... os estrangeiros, que nos visitavam à procura das praias de areias quentes e do Sol mais brilhante da Europa... agora ao lusco-fusco.

Nem para entrar, nem pra sair... Estamos no vermelho... tal como acontece nos semáforos... Estamos parados... até quando?

QUANDO VAI IMPLODIR A UE? - OU PARA QUANDO O RESGATE DA NOSSA INDEPENDÊNCIA E SOBERANIA?

O FUTURO ESTÁ AMEAÇADOR... COM OS DO NORTE COM A MASSA NA MÃO... O QUE NOS VAI ACONTECER?

Será que a massa vem... para fazer face à crise criada pelo covid... e em que condições e exigências???

A Europa Latina e do Sul... cada vez mais sujeita às discriminações Nórdicas e do Benelux... e que pasme-se... por obra... não se sabe de onde... até a Alemanha, França e Itália, juntas... já conseguem derrotar.

Agora, quem nos vai dar a mão... para onde vamos cair... se até o nosso velho... e histórico aliado... nos traiu!

António Jorge